Santa Catarina tem menor taxa de desemprego e maior proporção de empregados registrados

Santa Catarina se mantém com a menor taxa de desemprego do país e com o menor percentual de trabalhadores sem carteira assinada no setor privado.

É o que aponta a pesquisa PNAD Contínua, divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE, com dados do terceiro trimestre de 2018.

O Estado teve 6,2% dos trabalhadores desocupados entre os últimos meses de julho e setembro, enquanto a média nacional foi de 11,9%.

No mesmo período do ano passado, o percentual de desocupados catarinenses era de 6,5%, o que representa uma ligeira melhora do período mais recente. As piores taxas de desocupação foram observadas no Amapá (18,3%), Sergipe (17,5%) e Alagoas (17,1%).

O IBGE considera ocupadas as pessoas com 14 anos ou mais que exerceram ao menos uma hora de atividade remunerada na semana anterior à da entrevista dos pesquisadores. Desocupados são aqueles que fazem parte da força de trabalho e estão efetivamente à procura de serviço.

A taxa de subutilização da força de trabalho (que agrega desocupados, subocupados por insuficiência de horas e a força de trabalho potencial) também é a menor do país em Santa Catarina: o Estado tem 11,2% dos trabalhadores nesta condição, enquanto a média nacional foi de 24,2%, uma realidade para 27,32 milhões de pessoas.

Em relação aos trabalhadores com carteira assinada no setor privado, SC também aparece com o melhor indicador da pesquisa. A proporção de profissionais registrados é de 88,4% no mercado de trabalho catarinense, enquanto o percentual nacional é de 74,1%.

Nesse quesito, os piores indicadores são do Maranhão (51,1%), Piauí (54,1%) e da Paraíba (54,9%), onde pouco mais da metade dos trabalhadores são registrados.

Fonte: DC | Foto: Jessé Giotti

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário