Santa Catarina registra 10 mortes causadas por meningite neste ano

Dez pessoas já morreram por causa da meningite em Santa Catarina neste ano, segundo dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC). Desde janeiro, foram confirmados 64 casos da doença, que afeta o sistema nervoso, em 31 municípios. Especialistas alertam que a prevenção e o diagnóstico precoce ainda são as melhores formas de combater a enfermidade.

Das 10 mortes, quatro foram de crianças, sendo que três delas tinham menos de um ano de idade.

Diferentemente de outras doenças, a meningite pode ser causada tanto por vírus, fungos, quanto por um tipo de bactéria.

As vacinas oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) protegem contra quatro tipos, incluindo a meningite tipo C, que já foi muito presente, mas que atualmente com a vacinação atinge menos a população. Para os outros tipos da doença é preciso procurar a prevenção em clínicas particulares.

Os sintomas da meningite começam com uma dor de cabeça e febre, e vão evoluindo em poucas horas para vômito, diarreia, manchas na pele e o que os médicos consideram como diferencial: o paciente começa a sentir que a nuca vai ficando rígida e é difícil fazer movimentos para cima e para baixo com a cabeça. Nesses casos, é preciso procurar uma unidade de saúde o quanto antes.

“Dependendo do tipo de bactéria essa doença pode ter uma evolução muito rápida. No caso da doença meninocócica, mais conhecida como meningite, a pessoa ter uma evolução rápida em 24 ou 48 horas. Mas o importante mesmo é o diagnóstico precoce e o tratamento precoce”, disse o médico infectologista Antônio Miranda.

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC) atualizou a recomendação para todos os profissionais de saúde que fazem esse primeiro atendimento.

“Os profissionais devem ficar atentos quando identificarem um caso suspeito de doença meningocócica e agir prontamente, principalmente no tratamento ao paciente, na coleta da amostra laboratorial para que a gente possa identificar o meningococo, e também a população para ficar atenta: aos primeiros sintomas, procurar uma unidade de saúde”, disse Eduardo Macário, Diretor da Dive-SC.Mesmo com o número de casos confirmados, a Dive-SC ressalta que a situação está dentro do normal. Mas a população precisa estar alerta pros sintomas. Além de vacinar as crianças, outros cuidados também são importantes na hora da prevenção.

“As pessoas têm que se cuidar, têm que estar bem alimentadas, ter uma atividade física, tem que evitar ou minimizar o excesso de estress, estar em ambientes bem ventilados, evitando a aglomeração, porque é dessa forma que os vírus e as bactérias se transmitem”, disse Miranda.

Municípios que tiveram registros da doença:

  • Florianópolis: 8 casos
  • Blumenau: 5 casos
  • Joinville: 4 casos
  • Criciúma, Lages, Itajaí, Tubarão, Içara e São José: 3 casos
  • Brusque, Gaspar, Braço do Norte e Jaraguá do Sul: 2 casos
  • Balneário Camboriú, Biguaçu, Barra Velha, Camboriú, Correia Pinto, Içara, Imbituba, Lauro Muller, Palhoça, Piçarras, Presidente Getúlio, Rancho Queimado, Santa Rosa de Lima, São Joaquim, São João Batista, Urussanga, Urubici e Xaxim: 1 caso cada.

 

Fonte: Portal G1 | Foto: Ilustrativa

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário