Primeiras cargas via Rota do Milho chegam a Santa Catarina em julho

Encerrando um longo período de reivindicações, o lançamento oficial da Rota do Milho está confirmado para os dias 12 e 13 de julho, informou a Secretaria de Estado do Planejamento (SPG).

O trajeto é visto pela agroindústria como uma das melhores alternativas para suprir a demanda do grão em Santa Catarina, que é o maior exportador de carne suína do Brasil e o segundo maior de carne de frango.

Todos os anos, quatro milhões de toneladas do grão saem do Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul para abastecer as cadeias produtivas de suínos, aves e leite em Santa Catarina, num percurso que varia entre 1,5 mil e dois mil quilômetros.

Com a nova rota, esta distância passa a ser de cerca de 350 quilômetros (até a Dionísio Cerqueira, na fronteira), um caminho cinco vezes menor do que o trajeto feito pelos caminhões vindos do Centro-Oeste do Brasil.

A carga com o cereal sairá do Paraguai, passará pela Argentina e entrará no Brasil pela aduana de Dionísio Cerqueira, no Extremo-Oeste catarinense. Além da economia de tempo, a redução da distância deve reduzir os custos com frete.

O novo traçado é resultado de uma série de encontros e negociações com os governos paraguaio e argentino que começou em março de 2017.

As ações foram coordenadas pelo Núcleo Estadual de Integração da Faixa de Fronteira do Estado de Santa Catarina (NFSC) – órgão da Secretaria de Estado do Planejamento (SPG) -, pelo Bloco Regional de Intendentes, Prefeitos, Alcaldes e Empresários do Mercosul (Bripaem) e pelo Fórum de Competitividade e Desenvolvimento para a Região Oeste.

“A Rota do Milho dará fôlego para o agronegócio catarinense, que hoje sofre com sérios problemas de logística para conseguir matéria-prima para as suas cadeias produtivas. Ela, literalmente, abrirá caminho para o desenvolvimento”, afirmou o secretário de Estado do Planejamento, Francisco Cardoso de Camargo Filho.

Programação

Os atos que marcarão o início da Rota do Milho começam às 10h do dia 12 de julho, em Porto Piray, Misiones, na Argentina.

“Queremos apresentar qual será logística do milho e provar que é possível o caminhão sair e chegar no destino no mesmo dia”, diz o sub-coordenador no Núcleo Estado de Faixa de Fronteira, Flávio Berté.

A programação inclui apresentação das potencialidades turísticas da região, encontro de negócios com empresários e representantes de cooperativas dos três países e encontro do Bloco Regional de Intendentes, Perfeitos, Alcaldes e Empresários do Mercosul (Bripaem).

No fim do dia, às 19h, será realizado o 1º Seminário de Integração Conexão Transfronteiriça, grande evento que reunirá representantes da cadeia produtiva do agronegócio e autoridades do Brasil, Paraguai e Argentina.

Na sexta-feira, 13 de julho, será feito o trajeto. Haverá atos nos principais locais de passagem do milho, começando pelo Porto 7 de Agosto, em Carlos Antonio López, no Paraguai, de onde partem os caminhões em balsa pelo Rio Paraná, chegando até Porto Piray, na Argentina.

Às 11h30, está prevista a entrada dos caminhões no Brasil, por Dionísio Cerqueira, em mais um ato com a presença do Governo dos três países. A programação termina em Chapecó, às 18h, com a chegada das primeiras cargas de milho.

Fonte: Governo do Estado | Foto: Julio Cavalheiro / Secom

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário