PIS/Pasep: vale a pena sacar a partir de segunda-feira ou esperar pela correção?

Começa na próxima segunda-feira, dia 18 de junho, o período de saque dos fundos PIS/Pasep por pessoas com menos de 60 anos.

O primeiro grupo que poderá colocar a mão no dinheiro é formado por cotistas com idades entre 57 e 59 anos — quem tem mais de 60 anos pode efetuar os resgates a qualquer momento.

Esse primeiro grupo a ter o dinheiro disponível pode optar por fazer os resgates até 29 de junho ou aguardar para fazer a retirada em agosto. Entre 30 de junho e 7 de agosto, os pagamentos serão suspensos e, neste período, será calculada a correção dos valores dos fundos. Em 8 de agosto, correntistas da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil que têm dinheiro a receber terão o crédito diretamente na conta. De 14 de agosto a 28 de setembro, será liberado o resgate para todas as idades — inclusive para quem estava no primeiro grupo a receber, mas não fez a retirada. Por isso, na quinta-feira, dia 14, o ministro do Planejamento, Esteves Pedro Colnago Junior, disse que quem esperar para sacar em agosto terá vantagens financeiras — receberá os valores com correção que pode variar entre 8% e 10%.

Mas será mesmo que vale a pena esperar? A dica do ministro não deve ser seguida por endividados, por exemplo. Quem está nessa situação precisa fazer as contas.

Se os juros da dívida forem menores do que a estimativa de correção dos fundos, pode ser o caso de deixar o saque para agosto.

Mas quem está vermelho no cheque especial ou já entrou no rotativo do cartão de crédito não tem razões para aguardar.

– Se a pessoa está usando o limite do cheque especial ou deve no cartão, precisa usar imediatamente o que tiver à disposição. Porque em cerca de um mês e meio, até agosto, o que ela deve vai aumentar mais do que o saldo não sacado do PIS/Pasep – explica o educador financeiro Adriano Severo.

A última pesquisa de juros da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac) confirma o que diz Severo. Em maio, os juros, ao mês, do cartão e do cheque especial ficaram em 12%.

No caso dos empréstimos em financeiras, a taxa média foi de 7,24%. E para quem acha que pode retirar o dinheiro e investir, o educador financeiro não tem boas notícias:

– Não existe investimento seguro que renda algo parecido com uma taxa entre 8% e 10% em tão pouco tempo. Só se pensarmos em investimentos de risco, em ações, e isso ainda tendo sorte.

Ou seja: se a sua intenção é sacar o dinheiro agora para investir, a melhor opção é seguir o conselho do ministro, ter paciência e sacar apenas em agosto.

Quem tem direito a sacar

Têm direito ao saque as pessoas que trabalharam com carteira assinada antes da Constituição de 1988. Quem contribuiu após 4 de outubro de 1988 não tem direito ao saque.

Isso porque a Constituição, promulgada no mesmo ano, passou a destinar as contribuições do PIS/Pasep das empresas para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que paga o seguro-desemprego e o abono salarial, e para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Sacar em julho ou deixar para agosto?

Se você não tem dívidas nem necessidades urgentes

– Nesse caso, vale a pena esperar mais um pouco e retirar o dinheiro em agosto, com uma correção que bate investimentos seguros, como poupança. Isso vale mais para valores pequenos, que dificilmente poderiam ser investidos em outra opção.

Se você tem dívidas ou necessidades urgentes

– É preciso olhar com atenção os juros da dívida em questão. Se ficam abaixo da estimativa de correção dos fundos, pode não ser prejuízo deixar o dinheiro intocado até meados de agosto. Mas se ficam perto de 8%, por exemplo, é melhor já usar a quantia para abater ou quitar a pendência.
– Se o seu problema é cartão de crédito ou cheque especial, não há o que pensar. Nem precisa gastar papel e caneta para fazer as contas. Os juros são maiores dessas dívidas são maiores do que a reposição projetada, ainda que fique em 10%. Use o dinheiro o quanto antes para  sair do endividamento.
– E no caso de uma necessidade urgente, ligada à saúde, por exemplo, ainda mais importante será retirar logo o que houver de saldo.

Fazendo as contas

– Em uma correção dos fundos PIS/Pasep de 10% (melhor das estimativas), alguém com saldo de R$ 1.370 (valor médio previsto pelo governo federal) veria o saque aumentar em R$ 137 — o valor passaria a R$ 1.507.
– Se esse cotista tiver dívida de igual valor  (R$ 1.370) e esperar até agosto, ao procurar o banco ou a operadora do cartão encontrará a pendência maior em R$ 348* — ou seja, a dívida chegaria a R$ 1.718.
– A perda desse cotista em não sacar imediatamente ficaria em R$ 211.

* Taxa estimada de 25,44% no período até 14 de agosto, quando será liberado o saque para todas as idades.

O calendário de saques

Beneficiários com idades entre 57 e 59 anos poderão sacar o dinheiro entre segunda-feira e 29 de junho.

O pagamento para todas as idades ocorrerá entre 14 de agosto e 28 de setembro. Para quem tem conta na Caixa ou no Banco do Brasil, o depósito será em 8 de agosto para qualquer idade.

– Idades entre 57 e 59 anos: de 18 a 29/06

– Suspensão dos pagamentos: 30/06 a 07/08

– Crédito em conta na Caixa ou Banco do Brasil para todas as idades: 08/08

– Atendimento nas agências da Caixa ou Banco do Brasil para todas as idades: 14/08 a 28/09*

*Cotistas com mais de 60 anos podem sacar independentemente do cronograma, observando apenas a suspensão do pagamento em julho.

Fonte: DC | Foto: Fabrizio Motta

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário