Navegantes estuda recuperação e alargamento da Praia de Gravatá

Um ano depois da ressaca que destruiu parte do calçadão da Praia de Gravatá, em Navegantes, a obra de reconstrução ainda está em execução. O secretário de Governo, Cassiano Weiss, informa que a obra está na fase final, com 77% já executado.

No total, será investido R$ 1,4 milhão, e a previsão é de que a conclusão, que seria em outubro deste ano, foi estendida para dezembro por causa da elevação do nível do mar no inverno, o que dificultou a execução das rampas.

A cidade trabalha em busca de uma solução definitiva para o problema das fortes ressacas. Um grupo de empresários foi criado há cinco meses, liderado pela Associação Empresarial de Navegantes (Acin) em conjunto com a prefeitura.

O comitê já ouviu oito empresas que apresentaram propostas para a reurbanização da praia e recuperação com alargamento da faixa de areia, o que deve ajudar a prevenir os danos das ressacas.

A última reunião com empresas ocorreu na semana passada. A partir disso, os empresários vão definir uma proposta e pagar a elaboração de um projeto executivo. A estimativa é de que esse estudo custe até R$ 880 mil.

Com o projeto em mãos, empresários e poder público começarão a busca por recursos federais para a execução das obras, estimadas inicialmente entre R$ 20 milhões e R$ 22 milhões.

Por enquanto, os próximos passos são a criação de uma lei municipal que permita ao município receber a doação de projetos custeados por entidades externas, como o Instituto Renova Navegantes, criado pelos empresários da cidade, e a abertura do município para o recebimento dessas propostas. Essas duas etapas devem ocorrer em cerca de 30 dias, segundo os empresários.

O instituto também defende a criação de um fundo municipal para a manutenção da faixa de areia recuperada, para garantir que os futuros investimentos para manter a recuperação sejam feitos.

Fonte: NSC | Foto: Divulgação

1 Resposta

  1. O mar nao pode ser contido mas pode ser feito melhorias sim tamb plantiu de arveres praianas iria bem acho q os órgão competentes podem chegar a um acordo para melhorias pois a muito envestimento no município. Eo turismo nao pode parar evitar obras muito a bera mar também pode evitar tanos futuros

Deixe um comentário