Mesmo com trégua da chuva, Florianópolis ainda tem pontos críticos nesta sexta-feira

O transporte lacustre no Leste da Ilha não funcionará nesta sexta, enquanto o transporte de ônibus no bairro Ratones foi adequado para atender os moradores

Mesmo com trégua da chuva, a sexta-feira, dia 12 de Janeiro, ainda apresenta consequências dos estragos provocados pelo grande volume de água em Florianópolis.

De acordo com a prefeitura, ainda há alguns pontos de alagamento e quedas de barreira, mas as equipes continuam com os trabalhos para recuperação dos locais afetados.

No Morro do Quilombo, o Corpo de Bombeiros retomou as buscas por um morador que está desaparecido.

Pela manhã, os moradores dos bairros afetados com a chuva trabalhavam na limpeza das casas e colocavam os móveis ao sol para secar. Na rua da represa, no Morro do Quilombo, José da Silva tentava ajeitas os pedaços de pedra sobre o que sobrou da via para tentar sair de casa.

Foto: Marco Santiago

Foto: Marco Santiago

Até o momento os registros da Defesa Civil de Florianópolis apontam pelo menos 250 ruas afetadas, a maioria no Sul lda Ilha. As chuvas deixaram 33 pessoas desabrigadas e outras 1.230 desalojadas. Uma pessoa morreu.

De acordo com a prefeitura, 33 pessoas procuraram os abrigos da cidade. O maior número de pessoas está no Conselho Comunitário do Rio Tavares, com 28 abrigados. A passarela Nego Quirido, no Centro, abriga 4 pessoas e a escola Donícia Maria da Costa, no Saco Grande, uma pessoa.

Além dos R$3 milhões disponibilizados pelo Estado para auxiliar na recuperação dos prejuízos da chuva, o secretário Nacional de Defesa Civil, coronel Renato Newton Ramlow, confirmou que o governo federal também destinará recursos para a recuperação dos locais afetados em Florianópolis. Os valores, no entanto, ainda não foram informados.

A prefeitura está recebendo doações para destinar aos fetados pela chuva. Os itens de mais necessidade agora são kits de higiene, roupas e alimentos não perecíveis.

O município alerta que as doações devem ser feitas diretamente nas intendências e nos CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) dos bairros.

Alterações no transporte

Segundo a prefeitura, o transporte coletivo está funcionando com 95% de sua capacidade. Nos morros da Capital onde foram registrados problemas os ônibus estão indo até onde tem condição de tráfego.

No Leste da Ilha, a linha entre a Lagoa da Conceição e a Barra da Lagoa está suspensa. O motivo é que, na Avenida das Rendeiras, ainda existe muita água e entulhos que foram trazidos pela enchente.

Outro obstáculo é a queda de barreira na subida do morro da Barra. A estrada já foi desobstruída, mas ainda existe risco de novo deslizamento.

Os ônibus que saem da Barra da Lagoa em direção ao Centro estão fazendo outro itinerário.

A saída é em frente a um posto de combustíveis no canal da Barra, indo pelo Rio Vermelho, Ingleses até o Terminal de Canasvieiras.

Foto: Marco Santiago

Foto: Marco Santiago

Já o transporte público no bairro Ratones foi ampliado para duas linhas. A Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana determinou, em caráter emergencial, o ajuste no quadro de horários em função da queda de uma ponte, que dividiu o bairro em dois.

Assim, uma das linhas atenderá da entrada de Ratones até a escola Mancio Costa. A outra irá da Vargem Pequena até a servidão Lino Pedro Machado. Os ônibus retornam pelo mesmo caminho.

Esta adequação foi feita em comum acordo com a prefeitura, a comunidade e Consórcio Fênix, que administra o transporte coletivo em Florianópolis.

Por causa da falta de tensão na rede elétrica, um semáforo na avenida Gustavo Richard está desligado, obrigando os ônibus que vêm da região continental a buscarem caminhos alternativos para entrarem no Ticen (Terminal de Integração do Centro).

Um dos retornos possíveis é pelo túnel Antonieta de Barros e outra alternativa é pegar o acesso para a avenida Beira-Mar Norte e seguir pela avenida Paulo Fontes, contornando a rodoviária.

A prefeitura informou que já cobrou providências da Celesc, mas que, no momento, a estatal está dando prioridade aos danos causados pela chuvarada. Até a próxima semana, o problema deve estar resolvido.

Como o nível das águas na Lagoa da Conceição está baixando, o transporte lacustre voltou a funcionar parcialmente na manhã desta sexta-feira.

De acordo com a prefeitura, 50% das embarcações da Cooperbarco estão fazendo o transporte de passageiros. Isso só está sendo possível porque alguns dos 23 trapiches não estão mais submersos.

Motoristas devem ficar atentos à situação das rodovias

Na rodovia SC-405, no km 2,7, apenas a faixa da direita no sentido Centro continua alagada. As outras faixas estão liberadas e o trânsito flui normal pela rodovia, assim como pela avenida Deputado Diomício Freitas. O tráfego de veículos também está liberado pela Base Aérea até as 19h.

Na SC-404, em frente à Alameda Casa Rosa, ainda há erosão na pista, no sentido Lagoa. O Morro da Lagoa também continua com diversos pontos com vegetação no acostamento, mas sem alteração no trânsito.

No km 19,3 da SC-406, na Praia Mole, o tráfego está em meia pista por causa de uma queda de barreira em frente ao restaurante Ponta das Caranhas.

Ainda na SC-406, também há uma queda de barreira no acostamento próximo ao mirante da Barra da Lagoa. Pistas principais estão liberadas.

b

Chuva em Santa Catarina

De acordo com a Secretaria de Defesa Civil de Santa Catarina, 21 municípios relataram algum tipo de dano por causa da chuva, a maior parte na Grande Florianópolis e Litoral. Em todo o Estado, há 1.710 desalojados e 155 desabrigados.

O número de pessoas afetadas é de 3.751 e 937 imóveis foram prejudicados.

Maiores acumulados de chuva em 24 horas (até as 7h17):

Florianópolis 91 mm

Tijucas – 63 mm

Balneário Piçarras – 58 mm

Jaraguá do Sul e Guaramirim – 56 mm

Balneário Barra do Sul – 55 mm

Pomerode – 52 mm

Brusque – 51 mm

Rancho Queimado – 50 mm

Anitápolis 48 mm

Ituporanga – 42 mm

Tubarão e Canoinhas – 36 mm

 

Fonte: Estações da Epagri/Ciram e Cemaden | Foto: Bruna Matos

Já o transporte público no bairro Ratones foi ampliado para duas linhas. A Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana determinou, em caráter emergencial, o ajuste no quadro de horários em função da queda de uma ponte, que dividiu o bairro em dois.

Assim, uma das linhas atenderá da entrada de Ratones até a escola Mancio Costa. A outra irá da Vargem Pequena até a servidão Lino Pedro Machado. Os ônibus retornam pelo mesmo caminho. Esta adequação foi feita em comum acordo com a prefeitura, a comunidade e Consórcio Fênix, que administra o transporte coletivo em Florianópolis.

>> Governo federal confirma auxílio a Florianópolis para estragos com a chuva

Por causa da falta de tensão na rede elétrica, um semáforo na avenida Gustavo Richard está desligado, obrigando os ônibus que vêm da região continental a buscarem caminhos alternativos para entrarem no Ticen (Terminal de Integração do Centro). Um dos retornos possíveis é pelo túnel Antonieta de Barros e outra alternativa é pegar o acesso para a avenida Beira-Mar Norte e seguir pela avenida Paulo Fontes, contornando a rodoviária. A prefeitura informou que já cobrou providências da Celesc, mas que, no momento, a estatal está dando prioridade aos danos causados pela chuvarada. Até a próxima semana, o problema deve estar resolvido.

Como o nível das águas na Lagoa da Conceição está baixando, o transporte lacustre voltou a funcionar parcialmente na manhã desta sexta-feira. De acordo com a prefeitura, 50% das embarcações da Cooperbarco estão fazendo o transporte de passageiros. Isso só está sendo possível porque alguns dos 23 trapiches não estão mais submersos.

Motoristas devem ficar atentos à situação das rodovias

Na rodovia SC-405, no km 2,7, apenas a faixa da direita no sentido Centro continua alagada. As outras faixas estão liberadas e o trânsito flui normal pela rodovia, assim como pela avenida Deputado Diomício Freitas. O tráfego de veículos também está liberado pela Base Aérea até as 19h.

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário