Imposto de Renda 2019: ajude a esclarecer as principais dúvidas e o que muda na declaração deste ano

No começo de todo ano as pessoas acabam se perguntando: será que eu terei que declarar meu Imposto de Renda? A dúvida é mais frequente do que se imagina. Tanto no Brasil, como em outros países pelo mundo, prestar as contas com o leão é uma exigência.

Entretanto, algumas situações podem deixar os contribuintes com dúvidas. Pensando em esclarecer as principais perguntas sobre o Imposto de Renda, o Sescon Blumenau preparou uma lista com as incertezas e dificuldades daqueles que terão que fazer a declaração.

O que é Imposto de Renda?

O IR nada mais é do que o desconto no valor anual de todo rendimento recebido, sendo fruto de trabalho durante o ano anterior. Portanto, o imposto de renda 2019 é referente a 2018. “O IR é tanto para pessoa física quanto jurídica e ambos precisam estar atentos a esta cobrança e procurarem por um contador de confiança,” explica o presidente do Sescon, Nelson Mohr.

Quem deve declarar?

De acordo Nelson, há critérios sobre quem deve ou não declarar o IR 2019. Portanto, deverão prestar contas com o Leão os trabalhadores, pensionistas ou aposentados que receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 no ano passado.

Também devem declarar aqueles contribuintes que investiram em bolsas de valores ou mercado de capital. Pessoas com posses de imóveis ou terrenos acima de R$ 300 mil. Os trabalhadores do campo também precisam acertar as contas, sendo que o rendimento anual bruto de renda rural desta categoria, deve ser maior que R$ 128.308,50. Também precisarão declarar os contribuintes que tiveram rendimentos não-tributáveis acima de R$ 40 mil.

Se o contribuinte não declarar, o que acontece?

Conforme explica Nelson, quem não declarar o Imposto de Renda estará sujeito a multa de até 20% sobre o valor do imposto devido. Esta multa conta a partir do primeiro dia após as declarações serem entregues. Além disso, gera uma série de consequências negativas ao contribuinte, como por exemplo, o CPF que ficará irregular.

“A pessoa ainda terá dificuldades de fazer empréstimos, tirar seu passaporte, e se desejar vender um imóvel também enfrentará problemas, pois será impossibilitado de gerar uma certidão negativa para esse imóvel, participar de concursos públicos ou ter complicações para movimentar a conta bancária”, explica o presidente.

Quem faz a cobrança e o monitoramento?

É a Receita Federal o órgão responsável pelo Imposto de Renda no Brasil. São eles que verificam a veracidade das informações da declaração e analisam se o que você está pagando os impostos de forma correta, ou seja, que não seja nem a mais nem a menos do necessário.

 

Redação Misturebas
Fonte: Diego Becker

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário