III Festa da Família da EEF Clara Donner de Timbó é marcada pela integração

Cooperação e integração foram as palavras mais mencionadas, e que melhor contemplaram o clima, durante a realização da III Festa da Família da Escola de Educação Fundamental Clara Donner, em Timbó, realizada no último domingo, 24 de junho. Durante todo o dia, pais, estudantes, professores, colaboradores e a comunidade local estiveram envolvidos em atrações que possibilitaram uma interação familiar dentro do ambiente escolar.

Aproveitando o período de realização da Copa do Mundo de Futebol, o tema desta edição da festa não poderia ser outro, e os trajes juninos, costumeiramente vistos nesta época, deram lugar ao verde e amarelo nas vestimentas dos participantes e na decoração dos ambientes.

Durante a festividade foi lançada a Coopa Cooperativa, quando nos próximos trinta dias equipes de estudantes participarão de jogos que objetivam a cooperação entre os membros e não a competitividade como finalidade, reforçando a importância da colaboração para a vivência dos jovens, nas mais diversas dinâmicas. “Nossa ideia foi aliar cooperação com o esporte, para que se faça perceber a importância da cooperação, de maneira mais enfática, principalmente entre as equipes, para que os objetivos sejam atingidos”, destacou a Diretora da escola, Ana Caroline Cristofolini.

A consolidação de valores como cooperação, colaboração, união, é um objetivo que vem sendo alcançado a cada evento realizado nesta comunidade, desde o ano de 2015, quando iniciou a atuação do Programa Cooperjovem na instituição. Aos poucos, por meio de diferentes atividades, a comunidade escolar da EEF Clara Donner foi assimilando os conceitos trazidos pelos organizadores do programa, de maneira que possam contribuir para a formação do caráter dos jovens, para o convívio social, dentro e fora da escola, e para o melhor desempenho, individual e coletivo, de todos os envolvidos.

Um dos momentos marcantes do evento, e que têm se tornado comum na escola, foi a apresentação de uma dança circular, que apesar de ter movimentos simples, traz na essência a cooperação do grupo de participantes para que se consagre. A coordenadora pedagógica da instituição, Adriana Vinter, explica que para ser bonita, a dança circular não precisa ser complexa, mas depende da integração coletiva para ser impactante. “Traçando um paralelo da dança circular com nossa vida, podemos dizer que por vezes vão acontecer as mudanças de posição, mas nunca de nossa direção, que são os valores que temos conosco, e isso é passado aos jovens, ainda que indiretamente, por meio dessa dinâmica”, analisou a coordenadora.

Créditos: Paula Leitão

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário