Exames apontam 27 agrotóxicos encontrados na água de 1.396 municípios

Um coquetel que mistura diferentes agrotóxicos foi encontrado na água de 1 em cada 4 cidades do Brasil entre 2014 e 2017. Nesse período, as empresas de abastecimento de 1.396 municípios detectaram todos os 27 pesticidas que são obrigados por lei a testar. Desses, 16 são classificados pela Anvisa como extremamente ou altamente tóxicos e 11 estão associados ao desenvolvimento de doenças crônicas como câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas. Entre os locais com contaminação múltipla estão as capitais São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Manaus, Curitiba, Porto Alegre, Campo Grande, Cuiabá, Florianópolis e Palmas.

Os dados são do Ministério da Saúde e foram obtidos e tratados em investigação conjunta da Repórter Brasil, Agência Pública e a organização suíça Public Eye. As informações são parte do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), que reúne os resultados de testes feitos pelas empresas de abastecimento.

Os números revelam que a contaminação da água está aumentando a passos largos e constantes. Em 2014, 75% dos testes detectaram agrotóxicos. Subiu para 84% em 2015 e foi para 88% em 2016, chegando a 92% em 2017. Nesse ritmo, em alguns anos, pode ficar difícil encontrar água sem agrotóxico nas torneiras do país.

Embora se trate de informação pública, os testes não são divulgados de forma compreensível para a população, deixando os brasileiros no escuro sobre os riscos que correm ao beber um copo d’água. Em um esforço conjunto, a Repórter Brasil, a Agência Pública e a organização suíça Public Eye fizeram um mapa interativo com os agrotóxicos encontrados em cada cidade. O mapa revela ainda quais estão acima do limite de segurança de acordo com a lei do Brasil e pela regulação europeia, onde fica a Public Eye.

O retrato nacional da contaminação da água gerou alarde entre profissionais da saúde. “A situação é extremamente preocupante e certamente configura riscos e impactos à saúde da população”, afirma a toxicologista e médica do trabalho Virginia Dapper. O tom foi o mesmo na reação da pesquisadora em saúde pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco, Aline Gurgel: “dados alarmantes, representam sério risco para a saúde humana”.

Entre os agrotóxicos encontrados em mais de 80% dos testes, há cinco classificados como “prováveis cancerígenos” pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos e seis apontados pela União Europeia como causadores de disfunções endócrinas, o que gera diversos problemas à saúde, como a puberdade precoce. Do total de 27 pesticidas na água dos brasileiros, 21 estão proibidos na União Europeia devido aos riscos que oferecem à saúde e ao meio ambiente.

A falta de monitoramento também é um problema grave. Dos 5.570 municípios brasileiros, 2.931 não realizaram testes na sua água entre 2014 e 2017.

O risco das pequenas quantidades

Mesmo quando se olha a contaminação de cada agrotóxico isoladamente, o quadro preocupa. Dos 27 agrotóxicos monitorados, 20 são listados como altamente perigosos pela Pesticide Action Network, grupo que reúne centenas de organizações não governamentais que trabalham para monitorar os efeitos dos agrotóxicos.

Mas, aos olhos da lei brasileira, o problema é pequeno. Apenas 0,3% de todos os casos detectados de 2014 a 2017 ultrapassaram o nível considerado seguro para cada substância. Mesmo considerando os casos em que se monitora dez agrotóxicos proibidos no Brasil, são poucas as situações em que a presença deles na água soa o alarme.

 

Fonte: Alto Vale Agora | Foto: Ilustrativa

1 Resposta

  1. Seu comentário*

    Realmente muitos profissionais na área de jardinagem, ainda estão utilizando uns agrotóxicos com a tentativa de iluminação dos capins ex: Nas estradas margens das ruas próximo ao paralelepípedo, sendo que estes venenos ali aplicados, vão diretamente para as tubulações das ruas com a vinda das chuvas, caindo diretamente em nossos rios contaminando assim as águas passando o problema para a próxima cidade abaixo.
    Ex: Dr Pedrinho para B novo para Timbo para Indaial é assim sucessivamente.
    Já está sendo a terceira vez desde dezembro, que estamos sendo acordados pela manhã no horário próximo as 6:30, que um destes profissionais prática isto aqui em Timbó em nossa rua.
    Rua Birmânia Nações.
    Não haverá mais a quarta vez, pois no momento que eu perceber esta atitude corriqueira, irei fazer fotos e vídeo do acontecimento, entregarei para as autoridades.
    Acredito que estas autoridades até estão empenhara-se para que tal não venha acontecer, porém, se um profissional destes faz a jardinagem de uma casa média em 45 minutos de duração, quantas casas ele consegue fazer cada dia.
    Pensem comigo!
    Umas 8/10 casas não é ?
    Então! Quanta contaminação este profissional produz????
    Eu acho que os órgãos competentes, precisam urgente entrar nas mídias (todas),…
    Fazerem uma conscientização com o próprio povo, para que não deixem, e até mais,… denunciem todo e qualquer ato desta natureza.

Deixe um comentário