Empresa quer construir bairros planejados em Porto Belo e Navegantes

Duas cidades do Vale estão no alvo da Vokkan Empreendimentos, que anunciou nesta semana intenção de investir pelo menos R$ 300 milhões em megaprojetos urbanísticos em Santa Catarina.

A empresa quer construir bairros planejados em grandes loteamentos de Porto Belo e Navegantes, além de Joinville.

Todos eles seguiriam um padrão comum: aliar opções de moradia, trabalho, serviços e lazer em uma área relativamente pequena – mas não restrita –, proporcionando maior qualidade de vida para os futuros residentes e visitantes.

Um dos nomes à frente da iniciativa é o empresário Roderjan Volaco, fundador da Associação Empresarial de Itapema.

Ao blog, ele disse que a proposta é semelhante ao que já existe na Pedra Branca, bairro de Palhoça que segue princípios do urbanismo sustentável.

Os projetos estão sendo assessorados pelo renomado arquiteto e urbanista Jaime Lerner, que já foi prefeito de Curitiba e governador do Paraná. O primeiro na mira é o de Porto Belo.

Uma área de 500 mil metros quadrados, logo na entrada da cidade, já está reservada. A Vokkan ainda precisa finalizar algumas questões, o que na estimativa de Volaco deve acontecer até março, antes de começar a mexer no espaço.

Em paralelo, outra frente de trabalho, que conta com a experiência de Nara Schütz, profissional que prestou consultoria para a Pedra Branca, está levantando quais tipos de operações comerciais e de serviços poderiam ser instaladas no local – é certo que haveria alternativas ligadas à educação, saúde, gastronomia e entretenimento, por exemplo. O empresário adianta que já há parceiros definidos.

Além dessas opções que ainda serão mapeadas em detalhes, o projeto do bairro contempla fiação subterrânea, ciclofaixas, tratamento de esgoto próprio e até mesmo um lago artificial, além de áreas verdes, diz Volaco.

Somente em Porto Belo, projeta o empresário, isso impactaria entre 10 e 12 mil pessoas, com possibilidade de geração de mais de 2 mil empregos. Em Navegantes, onde a área prevista é bem maior, os efeitos seriam ainda mais grandiosos.

Dado o gigantismo e a complexidade de obras como essas, será preciso, no entanto, esperar alguns bons anos para vê-las saírem do papel.

Fonte: NSC | Foto: Pedra Branca

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário