Divulgada a primeira pesquisa para a corrida eleitoral em Santa Catarina

Paulo Bauer (PSDB) aparece em primeiro em dois cenários estimulados, enquanto deputado federal Esperidião Amin (PP) está na frente em outro módulo testado com seu nome.

Foi divulgada no dia 21 de junho, a primeira pesquisa oficial de intenção de votos para o cargo de governador de Santa Catarina. O levantamento aponta ainda a rejeição aos políticos postulantes ao cargo e a avaliação do governo de Eduardo Pinho Moreira.

O estudo é resultado da parceria do Grupo RIC com a Associação de Diários do Interior (ADI-SC) e foi realizada pela empresa Lupi & Associados – Pesquisa e Marketing.

Foram ouvidas 1.100 pessoas nas pesquisas espontâneas e estimuladas, amostragem que cobriu as sete mesorregiões catarinenses: Grande Florianópolis, Norte, Sul, Vale do Itajaí, Planalto Serrano, Meio Oeste e Oeste.

O período das entrevistas foi de 15 a 21 de junho. De acordo com a Lupi, a margem de erro é de 2,95%, para mais e para menos, e o coeficiente de segurança chega a 95%.

Para que os dados interpretassem o mais fielmente possível o pensamento dos eleitores do Estado, foram feitos cortes sobre gênero, faixa etária, escolaridade e renda familiar, entre outros, que reproduziram o todo da sociedade catarinense.

A definição levou em conta também a representatividade dos eleitores de município/região sobre o total do Estado.

Resultados

Na pesquisa espontânea, aparecem nas primeiras posições os nomes mais conhecidos, seja por estarem há mais tempo na política ou por terem maior exposição na mídia.

Neste caso, o deputado federal Esperidião Amin (PP) continua sendo o mais lembrado, seguido com certa distância pelo governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) e o ex-governador Raimundo Colombo (PSD).

O deputado federal Mauro Mariani, presidente do MDB-SC e que só teve seu nome de fato confirmado para a disputa ao governo nesta semana, aparece na quarta posição, com pouca diferença para o deputado estadual Gelson Merisio, presidente do PSD-SC.

Entre os cinco primeiros mais citados, somente Amin, Mariani e Merisio se colocam como pré-candidatos ao Executivo catarinense por seus partidos ou alianças. Moreira abriu mão recentemente da pré-candidatura e Colombo, que não pode concorrer novamente, tentará uma vaga no Senado.

No segundo bloco aparecem, pela ordem, os nomes de João Rodrigues (PSD), que cumpre pena em Brasília, Paulo Bauer (PSDB), senador e pré-candidato ao Executivo estadual, o empresário, Luciano Hang (sem partido), o prefeito de Joinville, Udo Döhler (MDB), que desistiu de concorrer, e João Paulo Kleinübing, deputado federal pelo DEM, cotado para ser vice em diferentes alianças.

De todos os nomes, o que mais surpreende pela baixa citação é o de Bauer, uma vez que na eleição de 2014 ele também foi candidato ao governo e por pouco não leva a eleição para o segundo turno na disputa com Colombo.

O último bloco traz surpresas e constatações. O deputado federal Décio Lima é candidato ao governo pelo PT, mas amarga a 11ª posição na memória dos catarinenses.

Depois vêm o deputado estadual Leonel Pavan (PSDB), que se recupera de um AVC e está afastado da vida política, o federal Pedro Uczai (PT), que já declarou que vai à reeleição como deputado federal, e o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB), que não se apresentou como possível candidato.

Por último, 4,5% dos entrevistados apontaram outros nomes.

Por outro lado, um número expressivo de 66,4% sequer souberam citar um nome para possível governador. Isso demonstra o desinteresse e o quanto o eleitor está desacreditado da política.

Nenhum dos nomes chegou sequer perto do índice dos que declararam voto nulo ou branco, que chegou a 14,8%.

Cenários estimulados

No primeiro cenário testado com candidaturas estimuladas, Paulo Bauer aparece em primeiro lugar na pesquisa. Em seguida vem Eduardo Pinho Moreira (PMDB), Décio Lima (PT), Gelson Merisio (PSD) e Leonel Camasão (PSOL).

Os votos branco/nulo/nenhum são a maioria, e correspondem a 30% dos votos.

O segundo cenário, com Amin na disputa e sem Merisio, o pepista lidera as intenções de voto. Em segundo lugar vem Paulo Bauer, seguido de Eduardo Pinho Moreira, Décio Lima e Leonel Camasão.

Sem Pinho Moreira e sem Esperidião Amin na disputa, o terceiro cenário é liderado de forma isolada por Paulo Bauer (25%), seguido de Décio Lima (11%). Na sequência vem Gelson Merisio e Mauro Mariani, ambos com 10,4%, e Leonel Camasão com 3,4%.

Em um cenário sem Amin, Bauer e Pinho Moreira, há empate técnico entre Mauro Mariani (16,4%), Gelson Merisio (14,5%) e Décio Lima (14,1%), já que a margem de erro é de 2,95% para mais ou para menos.

Questionados em quem os eleitores não votariam para governador nestas eleições, Décio Lima aparece em primeiro lugar com 35,3%, seguido de Esperidião Amin com 26,7%, Paulo Bauer com 20,6% e Leonel Camasão com 19,2%.

A pesquisa também avaliou o governo de Eduardo Pinho Moreira. Para a maioria dos catarinenses, a avaliação é regular (46,2%). As avaliações de ruim ou péssimo somam 24% enquanto que os cenários de bom ou ótimo somam 20%.

Do total de entrevistados, 10% não souberam avaliar a gestão de Pinho Moreira.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC) com o número de identificação SC-05104/2018. Eleições Gerais. Empresa contratada Lupi Associados Pesquisa e Marketing LTDA.

 

Fonte: RCN | Foto: Divulgação

2 Respostas

  1. Seu comentário*
    Sempre os mesmos
    Aí pedem para que o eleitor vote certo
    O certo é nulo

  2. Com esses nomes de possíveis candidatos fica difícil pensar em mudança na política. Cenário de mal a pior.

Deixe um comentário