Brasil desenvolve tecnologia para reciclar metais preciosos do lixo eletrônico

Resíduos de materiais tecnológicos

Pesquisadores do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, em Campinas (SP) criaram uma tecnologia que permite extrair metais preciosos do lixo eletrônico.

Por meio de processos mecânicos, de hidrometalurgia e biometalurgia, a técnica reaproveita materiais como ouro, prata, cobre e paládio, contidos em placas eletrônicas de computadores, celulares e tablets.

Outra vantagem é que a combinação desses processos permite separar e descartar os metais pesados desses componentes.

Fruto de um projeto iniciado em 2014, chamado Rematronic, o esforço contou com um investimento de R$ 8 milhões do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e tem participação de um parceiro da iniciativa privada, a Gestora de Resíduos Industrial (GRI), que vai deter parte da propriedade intelectual da tecnologia.

A equipe agora está projetando uma planta industrial piloto para sair da escala de laboratório e começar a traçar as diretrizes de escalonamento, dimensionamento de custos e cálculo da viabilidade do negócio.

Segundo Marcos Pimentel, um dos coordenadores do projeto, a tecnologia de reciclagem e reaproveitamento permitirá lidar com outros componentes da indústria eletroeletrônica, além das placas eletrônicas. “Com esse know-how, podemos dar uma solução para outros tipos de resíduos, como pilhas, baterias e outros resíduos eletrônicos,” disse ele.

Ambientronic

O projeto de pesquisa faz parte do programa Ambientronic, criado pelo CTI Renato Archer em 2006. Desde então, a unidade de pesquisa tem firmado acordo com as principais entidades da indústria eletrônica, a fim de capacitar recursos humanos e criar normas e soluções de produção, descarte e reciclagem de equipamentos eletrônicos.

“O descarte do resíduo sólido na natureza é um problema para o meio ambiente e de saúde pública, em que a solução vem pelo investimento em tecnologia. Quanto mais tecnologia você usa, mais retorno econômico a reciclagem dos resíduos gera,” ressaltou Marcos.

 

Foto: Inovação Tecnológica | Foto: CTI Renato Archer

Nenhum comentário publicado.

Deixe um comentário