“A embriaguez do motorista do Jaguar nada tem a ver com o acidente”, diz perito

Em entrevista, Eduardo Llanos, contratado pela defesa, reiterou que a colisão foi provocada pela condutora do Palio, e não por Evanio Prestini. Thainara contesta

Foto: Beto Espercot

A perícia contratada pelos advogados de Evanio Wylyan Prestini reiterou na manhã de quarta-feira, dia 27 de março, que o motorista do Jaguar não foi o responsável pelo acidente que vitimou Amanda Grabner Zimmermann, 18, e Suelen Hedler da Silveira, 21.

Oito dias após a apresentação da defesa prévia à Comarca de Gaspar – que pede a absolvição sumária de Evanio –, Eduardo Llanos atendeu e reforçou o relatório de 26 páginas (confira abaixo a conclusão) em que aponta Thainara Schwartz como responsável pela batida.

Llanos diz que não leva em conta a questão da embriaguez ao volante de Evanio – confirmada pelo teste de alcoolemia feito pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) – e nem vídeos feitos após o acidente, em que o motorista do Jaguar admite ter dormido ao volante.

O perito chileno afirma que a investigação feita no Palio é o que motiva a conclusão e afirma que a velocidade do Jaguar era inferior à do veículo conduzido por Thainara.

– A embriaguez do motorista do Jaguar nada tem a ver com o acidente. Ele dirigiu por vários quilômetros, enfrentou vários veículos e não cometeu um acidente. Ele poderia ter sido fiscalizado pela polícia, não foi, e não cometeu um acidente. Até o ponto em que o acidente aconteceu e, obviamente, pelo suposto estado de embriaguez dele, a culpa foi toda para cima do cliente, do veículo (Jaguar). Mas neste caso o suposto estado de embriaguez do motorista do Jaguar não tem nenhuma relação com o acidente – aponta Llanos.

Na última semana, em entrevista, Thainara questionou o laudo e a defesa prévia entregue pela defesa de Evanio:

– Ele quer botar a culpa em mim por quê? Porque eu tenho 21 anos? Tentei salvar a vida de todo mundo. Ele estava vindo na contramão em cima da gente. Joguei para o lado para salvar a vida de todo mundo. Isso dói, machuca muito

O acidente

A batida envolvendo o Jaguar e o Fiat Palio ocorreu por volta das 6h da manhã de 23 de fevereiro na BR-470, em Gaspar. Duas garotas morreram, Amanda Grabner Zimmermann, 18, e Suelen Hedler da Silveira, 21.

O condutor do carro de luxo, Evanio Prestini, foi submetido ao teste do bafômetro que apontou 0,72 miligrama de álcool por litro de ar expelido.

Ele foi preso em flagrante. No dia seguinte ao acidente, a prisão foi convertida para preventiva. Os advogados de Evanio pediram a revogação da prisão, que foi negada pela Comarca de Gaspar.

A defesa, então, entrou com o pedido de uma liminar de habeas corpus no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), que também foi negado. Quase duas semanas depois, no julgamento do Colegiado, os desembargadores decidiram por manter Evanio preso.

Em nota, a defesa do motorista do Jaguar confirmou que levará o processo ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Hoje, Evanio está detido no Presídio Regional de Blumenau.

Confira o LAUDO – clique aqui para baixar  

Fonte: NSC | Foto: Divulgação

1 Resposta

  1. Beber, pegar o carro e sair dirigindo ja é crime, imagina matando duas pessoas… o que deu no bafômetro?? Tava bêbado, cometeu um acidente, vitimou pessoas vai pra cadeia, não é porque é riquinho que vai se escapar, esses advogados e esse perito deveriam ter vergonha na cara em defender um caso como este!

Deixe um comentário